8 de fev de 2010

Minha alma poética 
Minha alma poética
procura a beleza nas palavras
não quero seguir éticas
quero a poesia que renova


Quero a beleza em rima
que a todos possa encantar
que fale direto a alma
de que se põe a escutar


Busco ainda a rima perfeita
que não caia na ostracidade
ja que temos alma eleita
que não se rende a mesmicidade


Alma serena
corpo rebelde
alma de tenacidade poética
em corpo que versos produz
em rimas cinéticas


Não cessam os movimentos
vai e vem de palavras
explosão de sentimentos
a boca recita o lirismo
tecido de rimas novas


Ainda busco encantar
nestes versos rimados
algumas almas inspirar
nesta orgia fonética
de versos inspirados


Não tem hora certa
nem lugar destinado
a palavra vem embalada
numa inspiração avassaladora
e assim nasce mais um verso
desta mente criadora


Chega assim  final
de mais uma rima criada
o verso esta completo
nesta mente inspirada

Dialética do Amor


Quando
O fogo da paixão
Passa a crepitar
Alimentado pela inconseqüência
Da ilusão,
Provoca grande incêndio
Na consciência
Causando danos irreparáveis
À razão...

Porém...

Quando
A névoa da sedução
Envolve cândida
Um beijo,
A ilusão nela voa
E a paixão volve
Despertando
O desejo!

Ah, e então, o amor...